Comunidade

30 abril 2015 | By: Imprima 3D | 0 Comentario

Impressora 3D ajuda a curar crianças com doença respiratória

Médicos dos EUA utilizaram peça em cirurgia contra traqueobroncomalácia.
Três crianças passaram por procedimento e agora estão saudáveis.


Em um novo marco na impressão em 3D, médicos americanos foram capazes de salvar a vida de três crianças que sofrem de uma doença respiratória fatal graças à produção de implantes personalizados que foram absorvidos por seus corpos.

Três bebês que estavam à beira da morte por uma traqueobroncomalácia, um transtorno incurável que provoca o colapso da traqueia, tiveram talas aplicadas que lhes permitiram recuperar e respirar normalmente - segundo o estudo publicado na revista "Science Translational Medicine" desta semana.


Peça chamada de splint foi impressa em 3D e usada em cirurgia no brônquio esquerdo em um dos pacientes. Chamada de splint, o objeto foi (Foto: Morrison et al, Science Translational Medicine)

Embora a técnica ainda não tenha sido aprovada pelos reguladores federais nos Estados Unidos, esses dispositivos personalizados, criados por uma impressora 3D, receberam uma exceção médica de emergência para esses casos particulares e ainda são considerados de alto risco.

Kaiba Gionfriddo, o primeiro que recebeu o tratamento, tinha três meses de idade quando passou pela cirurgia. Agora, ele é uma criança saudável de três anos que vai à pré-escola, disseram os pesquisadores.

Outras duas crianças foram submetidas à operação e ambas estão bem.

Com cinco meses de vida, Ian Orbich fez o procedimento que, segundo os especialistas, salvou a sua vida. A mãe dele, Meghan, leu a respeito do procedimento em uma reportagem e foi atrás dos responsáveis pela técnica. Mais de um ano após a operação, ela afirma que o bebê está incrível e que tudo o que aconteceu com sua família foi uma bênção.

"Esta é a primeira cura para a doença", afirmou o principal autor do estudo, Glenn Green, professor de otorrinolaringologia pediátrica do Hospital Infantil C.S. Mott da Universidade de Michigan.


Imagens mostram o pré e o pós-operatório em três diferentes pacientes. As setas indicam o lugar onde foram colocadas as peças impressas em 3D (Foto: Morrison et al, Science Translational Medicine)

Cerca de uma em cada 2.000 crianças nasce com traqueobroncomalácia em todo o mundo, explicou Green. Uma vez que não conseguem exalar completamente, a traqueia das crianças fica propensa a entrar em colapso e o único tratamento é a sedação e cuidados intensivos. No entanto, existem complicações e as infecções são frequentes. Green descreveu a expectativa de vida desses pequenos como "sombria".

Os pesquisadores usaram tomografia computadorizada das vias respiratórias das crianças para criar um implante personalizado feito com biomateriais concebidos para expandir à medida que elas crescerem.

"As talas impressas eram tubos ocos e porosos que puderam ser costurados nas vias aéreas afetadas e eram feitas de policaprolactona, um polímero que se dissolve no corpo sem causar danos", informou o estudo.

O processo de desenhar e imprimir o implante levou entre 1 e 3 dias.

A tecnologia poderia eventualmente tornar mais fácil tratar doenças raras que têm sido negligenciadas pelas empresas de equipamentos médicos por causa do alto investimento envolvido, disse o co-autor Scott Hollister.

Um teste clínico feito em 30 crianças deve ser realizado em breve. No campo da tecnologia 3D para a saúde, já são fabricados aparelhos auditivos, implantes dentários e algumas próteses.

REP: GLOBO.COM

Deixe sua mensagem

Você precisa estar logado para poder comentar. Se não possui uma conta registre-se